Siga-nos nas redes sociais

  • White LinkedIn Icon
  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • YouTube

© 2019 por Cubbos

  • Rachel Barbosa Carneiro

PLANO ou ESTRATÉGIA de captação de recursos? Qual é o correto usar?

Atualizado: 24 de Ago de 2019




Recentemente, durante uma das minhas aulas no curso de Gestão de 3º Setor na FGV falamos sobre essa dúvida constante de qual termo é mais adequado adotar: PLANO ou ESTRATÉGIA de captação de recursos? Qual você costuma usar?


Se você perguntar para captadores de recursos, a maioria deve responder que o correto seria utilizar o termo plano de captação de recursos. A justificativa é de que, após realizar um processo de planejamento estratégico (que, nesse caso, seria de captação de recursos) o resultado do que foi construído é transformado em um plano, um documento que formaliza aquilo que foi definido a partir do processo. Seria uma maneira de materializar o resultado. E eu diria que a resposta, tecnicamente, está correta!


Mas vou explicar por que eu não gosto de utilizar esse termo e prefiro, infinitamente, utilizar o termo ESTRATÉGIA de captação de recursos. Em primeiro lugar, o termo “estratégia” por si só já traz como significado uma visão intrínseca de longo prazo e analítica a partir de uma consideração global, macro, da situação que se pretende solucionar. Não estamos falando de um plano de captação de recursos para um projeto particular e com duração de alguns meses apenas. E, para mim, a razão mais importante para eu utilizar somente o termo estratégia de captação de recursos para explicar o tipo de trabalho que eu realizo é que não estamos falando de um documento estático, que representa o final de um processo. Pelo contrário! O documento é o resultado de um processo construtivo de estudo e proposição de ações coerentes, mas ele é apenas o meio do processo. A partir do momento em que a estratégia é construída, ela precisa ser colocada em prática e é aí que ela passa a receber novos inputs de informações. Com isso, a estratégia precisa ser modificada, aprimorada e até redirecionada em função dessas novas informações a que não se tinha acesso antes de iniciar a prática de prospecção. É um documento vivo, em constante construção e aprimoramento. Não tem fim em si mesmo e, por isso, não pode ser considerado um plano, estático, finalizado.


E aí... vamos construir uma ESTRATÉGIA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS?

Até breve!